Por Que Visitar

A Praia de Ipanema é o centro nervoso da orla carioca. Nada do que acontece naquele pequeno pedaço da zona sul passa despercebido no resto da cidade. O bairro eternizado por Tom Jobim e Vinícius de Moraes é sinônimo de charme, sofisticação e novas tendências a cada verão, e oferece aos visitantes muito mais do que três quilômetros de mar e beleza. Bares e outras atrações esperam os turistas num espaço em que praticamente tudo é música para os olhos. Não é à toa que a praia é uma das mais queridas de quem mora no Rio. Os encantos de Ipanema são os mais diversos e não costumam decepcionar quem os conhece.

Praia de Ipanema

Nomes como o bar Veloso fizeram história em Ipanema, reunindo músicos, escritores e outros intelectuais. O bar foi rebatizado como Garota de Ipanema e funciona até os dias de hoje, em que espaços como o Canastra e o Delirium Café mantêm a tradição boêmia da região. É famosa também a divisão da Praia de Ipanema em postos numerados, onde cada posto costuma receber um tipo de público diferente. É o caso do posto sete, frequentado por famílias, surfistas e sambistas, e do nove, point de artistas e do público GLS. Um parque com quase 30 mil metros quadrados no Arpoador serve de palco para um espetáculo diário, no qual o pôr-do-sol é aplaudido por uma platéia extasiada pela paisagem. E a feira hippie na Praça General Osório sempre esconde uma lembrancinha para quem está de passagem pelo bairro aos domingos.

Banhistas na Praia de Ipanema

Ipanema pode se orgulhar de ter entre seus moradores de ontem e hoje importantes nomes da vida brasileira. Gal Costa, Rubem Braga e Ziraldo são alguns deles. Três presidentes já moraram na região: Castelo Branco, Eurico Gaspar Dutra e Juscelino Kubistchek. Mas nenhum deles ficou tão famoso quanto Heloísa Eneida Menezes Paes Pinto, conhecida como Helô Pinheiro. Suas caminhadas em direção à praia aos 17 anos inspiraram a canção Garota de Ipanema, composta por Tom e Vinícius em 1962. A música foi premiada com um Grammy em 1964 e regravada por Frank Sinatra, Ella Fitzgerald e até pela banda de rock Sepultura. Foi esse samba que tornou Ipanema conhecida no mundo inteiro.

Passado Histórico da Praia de Ipanema

A atual região de Ipanema abrigava índios tamoios desde, pelo menos, 1558. Eles construíram ali uma aldeia batizada de Jaboracyá, destruída pelos colonizadores portugueses por volta de 1575. José Antonio Moreira Filho, segundo Barão de Ipanema, comprou terras na área em 1878. O nome Ipanema significa água ruim em Tupi e foi herdado desse proprietário. O local contava com cerca de sete casas em 1879 e era um imenso areal com cajueiros, tatus e cabanas de pescadores. A empresa responsável por erguer o Loteamento Villa Ipanema foi criada quatro anos depois disso e concluiu os trabalhos em 26 de abril de 1894, entregando o bairro com 19 ruas e duas praças: a Floriano Peixoto (atual General Osório) e Coronel Valadares (Nossa Senhora da Paz).

Praia de Ipanema em 1911

A localidade foi se desenvolvendo com o passar dos anos. A iluminação elétrica chegou em 1902 e os bondes no ano seguinte. Mais de mil pessoas já moravam em Ipanema por volta de 1906 e, em 1912, 45 bondes realizavam 235 viagens por dia no bairro. A primeira linha de ônibus veio em 1923 e, quatro anos depois, todos os terrenos existentes na região já haviam sido negociados. O Arpoador serviu de berço para o surfe no Brasil na década de 1950, tendo inclusive recebido as finais do primeiro campeonato nacional da modalidade em 1965. Os bondes deixaram de circular no bairro três anos antes e foram substituídos por ônibus.

A Banda de Ipanema foi criada em 1965 e desfila até hoje nos dias de carnaval, mantendo a tradição democrática de abraçar a todos sem preconceito e levar a folia até a Praia de Ipanema. O desfile de 7 de fevereiro de 1973 foi especial, já que o grupo prestou uma homenagem a Pixinguinha. O músico acabara de morrer durante um batizado em que seria padrinho na igreja de Nossa Senhora da Paz. O rock brasileiro também deve muito à Ipanema, já que a primeira versão do Circo Voador, uma importante casa de shows, foi aberta no bairro em 1982. A ocupação crescente da região no fim do século XX fez com que as casas fossem substituídas por prédios e que os imóveis se tornassem cada vez mais caros. E com a inauguração da estação General Osório do metrô em 21 de dezembro de 2009, se concretizou esse movimento.

Atualidades da Praia de Ipanema

Ipanema deve ganhar em breve uma nova parada de metrô. Ela ficará localizada na Praça Nossa Senhora da Paz e tem inauguração prevista para 2016. A estação que faz parte do traçado da Linha 4 será acessada por entradas nas ruas Joana Angélica e Maria Quitéria. A promessa é que o espaço atenda 47 mil usuários por dia e ligue o bairro à Barra da Tijuca em 13 minutos. O acontecimento é esperado com ansiedade pelo resto da cidade, que poderá assim acessar com ainda mais facilidade a praia e as outras atrações da localidade.

Calçadão da Praia de Ipanema

Assim como a Praia de Copacabana, a Praia de Ipanema é um importante local para o lazer e a atividade física dos cariocas. Que se exercitam e passeiam também por seu calçadão característico. Aos domingos e feriados, parte da Avenida Vieira Souto fecha para o trânsito entre às 6:00 e 18:00 e até às 19:00 no verão, sendo uma ótima opção para o lazer de crianças e adultos de todas as idades.

A vocação turística da Praia de Ipanema fez com que importantes hotéis se estabelecessem na região e desenvolvessem o bairro. O mais famoso deles é o Fasano, no número 80 da Avenida Vieira Souto. Quem se hospeda ali pode ir à pé aos bares do bairro, como o Garota de Ipanema, que fica na Vinícius de Moraes, 49. Já os mais jovens terão seu pouso ideal no Canastra, nº 42 da Rua Jangadeiros. E os apreciadores de boas cervejas certamente irão gostar do Delirium Café, na Rua Barão da Torre, número 183.

Praia de Ipanema no Carnaval do Bloco Preta Gil

O carnaval do Rio torna a orla um palco bastante disputado para os muitos blocos que desfilam nesta festa. Além da tradicional Banda de Ipanema, com temática marcadamente GLBT, são famosos também o bloco da Preta Gil, Simpatia é Quase Amor, Afroreggae e Monobloco, estes dois com ritmos mais percussionistas na Praia de Ipanema.

O metrô é a forma mais rápida de se chegar a Ipanema. A estação da Praça General Osório funciona de segunda a sábado de 5h à meia-noite e de 7h às 23h nos domingos e feriados. Linhas de ônibus partindo de diferentes pontos da cidade cruzam o bairro e também são uma opção. Veja o nosso Guia de Transporte Público.

Protetor solar e roupa de banho são itens praticamente obrigatórios para quem pretende passar um dia de sol na região. A Praia de Ipanema ocupa toda a extensão da Avenida Vieira Souto.

O Que Ninguém Fala Sobre a Praia de Ipanema

Muito embora a Praia de Ipanema seja um dos cartões postais mais famosos do Rio de Janeiro, alguns problemas são frequentemente ignorados pelos turistas, pois não encontram espaço na mídia dirigida aos visitantes. Mas acreditamos que seja importante aos nossos turistas saber que tanto o bairro de Ipanema quanto sua praia padecem de alguns problemas que podem atrapalhar a diversão.

  • Furtos, roubos e assaltos estragam a viagem de alguns turistas incautos na Praia de Ipanema. Por isso recomendamos fortemente que se evite exibir desnecessariamente equipamentos eletrônicos (máquinas fotográficas, telefones celulares, smartphones e afins). Infelizmente algumas destas situações são acompanhadas por violência. Recomendamos sempre circular na cidade levando apenas o indispensável, de maneira bastante discreta e mantendo atenção em bolsas, mochilas e carteiras.
  • Favelas, ou comunidades como normalmente são chamadas, são bairros dentro de outros bairros, onde falta a infraestrutura própria da cidade urbanizada. As ruas são estreitas, regras de construção não são seguidas e as casas e janelas são muito próximas umas das outras, muitas vezes falta saneamento básico e o acesso a serviços públicos é deficiente. Muitas dessas comunidades são ocupadas pelo crime organizado e conflitos entre facções distintas assim como com policiais ocorrem com frequência.
  • Normalmente, são locais acessíveis apenas para moradores, não sendo seguro ir sozinho a essas localidades. Embora muitas vezes seja propagado, não existe encanto ou charme em morar em favelas, a vida é especialmente difícil nestes locais. Em Ipanema é difícil localizá-las, pois ficam escondidas atrás dos grandes prédios da região.
  • Os vendedores ambulantes e vendedores informais, conhecidos como camelôs, são pessoas que circulam pelas ruas ou mantêm barracas montadas nas calçadas, vendendo os mais variados produtos. A Prefeitura cadastra alguns desses vendedores, que trabalham em locais autorizados. Outros, porém, trabalham sem autorização, e por vezes são retirados pela Guarda Municipal.
  • Ao comprar de camelôs fique atento a algumas circunstâncias: consumir alimentos vendidos desta forma, especialmente no calor, pode levar a riscos a saúde, pois não há controle efetivo sobre como são preparados e armazenados, não sendo recomendável no Rio de Janeiro comer algo sem saber a procedência; produtos comprados em camelôs não têm nota fiscal, não têm garantia e se apresentarem defeito, você dificilmente conseguirá trocá-los ou se reembolsar do valor pago; os preços podem ser bastante altos, especialmente se o turista é o comprador, ficando o visitante vulnerável a pequenos golpes durante essa compra.
  • A população de rua está presente também em Ipanema, como em quase toda a cidade. Em geral os adultos não desejam confusão e pedem apenas alguma contribuição para comprar comida. Os jovens e crianças de rua costumam ser mais agitados. Ora vendem balas e doces, ora pedem dinheiro, mas é preciso estar atento, pois muitos dos furtos praticados na orla são realizados por crianças e jovens que perambulam pelas ruas, recomendamos não expor objetos de valor e se desejar contribuir de alguma forma, sugerimos não dar dinheiro, mas comprar-lhes efetivamente algum alimento.

Créditos das imagens usadas neste artigo Praia de Ipanema: Augusto Malta, Fab de Nice, Marcos Fernandes, Monomakh e PSI_Ipanema.