Por Que Visitar A Praia de Copacabana

A Praia de Copacabana é formada por quatro quilômetros de belezas naturais em plena zona urbana do Rio de Janeiro. A praia é acompanhada pela Avenida Atlântica, símbolo do bairro e importante via de trânsito da cidade. Imagine ir trabalhar admirando a beleza da praia de Copacabana e seus encantos.

Praia de Copacabana

Com mar calmo e ondas baixas é ideal para passear à beira mar, relaxar na areia e mergulhar. A paisagem de mar aberto é um verdadeiro cenário de cinema e já foi retratada em diversos filmes. Ella Fitgerald, Nelson Mandela e Santos Dumont são algumas das personalidades que já se encantaram com o charme da orla mundialmente famosa. O local reúne uma coleção de atrações para todos os gostos.

Em toda a extensão da praia há o famoso calçadão de Copacabana. As pedras portuguesas formando ondas que o compõem são conhecidas internacionalmente. O projeto atual é de criação do paisagista Roberto Burle Marx e foi inaugurado na década de 1970. O calçadão em si é um importante ponto de encontro de cariocas e turistas e possui uma vida própria, que se alterna entre atividades diurnas e noturnas.

Calçadão de Copacabana

Durante o dia e à noite é comum a apresentação de performances artísticas como mímicos e músicos, exposições de pinturas, esculturas de areia e outras formas de arte, que podem ser inclusive adquiridas no local. Quiosques de todos os tipos oferecem sombra, água de coco e pequenas refeições, que podem ser desfrutadas observando a vista maravilhosa da praia e seus freqüentadores.

Durante a noite, além do comércio de arte à beira da orla, os quiosques oferecem drinks, música e happy hours. Alguns são ponto de encontro de jovens que lá se preparam para outras festas.

Seja de dia ou de noite, cariocas e turistas frequentam o calçadão de Copacabana para passear ou se exercitar na ciclovia que acompanha todo o trajeto. Aos domingos o passeio fica completo, pois as pistas à beira mar da Avenida Atlântica ficam fechadas ao trânsito entre as 6:00 e 18:00 e até às 19:00 no verão, entre a Rua Francisco Otaviano e a Avenida Prado Júnior, sendo uma ótima opção para o lazer de crianças e adultos de todas as idades.

Outra atração da Praia de Copacabana é a Confeitaria Colombo do Forte de Copacabana, que oferece elaborados menus de café da manhã, refeições e chás da tarde que podem ser saboreados do alto de uma vista privilegiada da orla da cidade maravilhosa.

Merece destaque também a estátua do grande poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade que, inaugurada em 2002 virou ponto de encontro de turistas amantes da melhor literatura brasileira. O bairro também conta com uma escultura de bronze do músico baiano Dorival Caymmi e seu violão desde 2008.

A Praia de Copacabana é tão presente na vida dos cariocas e é um espaço tão amplo e acolhedor que também é utilizada para a realização de grandes shows e outros eventos. E foi destacada para receber algumas provas dos jogos olímpicos de 2016.

Banhistas na Praia de Copacabana

Copacabana é também o bairro com a maior concentração de idosos do Brasil. Eles são mais de 40 mil e somam cerca de um terço da população total da área que é composta por três ladeiras, seis travessas, cinco avenidas e 78 ruas, que cortam os 100 quarteirões de Copacabana, sempre repletos de gente, histórias e agitação.

Uma grande festa acontece no bairro todo dia 31 de dezembro. O chamado Reveillon de Copacabana é internacionalmente conhecido. A praia vira palco de uma grande queima de fogos nesta ocasião, enquanto a camaradagem e a esperança congrega cariocas e turistas num oceano de pessoas vestidas de branco e desejosas de muitas realizações durante o ano que se inicia. O show de fogos dura em média 15 minutos e costuma consumir mais de 20 toneladas de fogos de artifício, e conta com artistas brasileiros e estrangeiros, que se apresentam para um público de milhões de pessoas. Zeca Pagodinho e a banda americana Black Eyed Peas são algumas das atrações que já foram escaladas para o espetáculo do Reveillon.

Tantas atrações fizeram de Copacabana uma das regiões mais tradicionais do Rio e do Brasil. A intensa atividade comercial dos dias úteis se completa com uma incrível vida turística e noturna, com muitos bares, restaurantes e discotecas para todos os gostos.

Passado Histórico da Praia de Copacabana

O atual bairro de Copacabana era chamado de Sacópenapan pelos índios tamoios. E na região foi construído o Engenho d’El Rei por volta de 1575, mas o empreendimento não deu certo por conta do terreno arenoso e das dificuldades de acesso causadas pela Lagoa Rodrigo de Freitas e pelas montanhas ao redor, atuais parques Paisagem Carioca, José Guilherme Merquior, Morro do Leme e pelo Pão de Açúcar. A área ganhou então, em 1738 uma capela de Nossa Senhora de Copacabana, santa venerada no Peru. E prosperou vagarosamente até a abertura do túnel Real Grandeza, em 6 de julho de 1892. Hoje conhecido como túnel Velho, a obra ajudou a integrar aquela parte ao resto da cidade. Essa data marca também o nascimento oficial do bairro, ocasião em que por meio de documento público, demarcaram-se suas fronteiras.

Cajueiros, pitangueiras e pescadores ocupavam a paisagem da área no começo do século XX. O túnel do Leme, o chamado túnel Novo, foi inaugurado em 1904 e estimulou a ocupação do bairro. As obras do Forte de Copacabana começaram no dia 5 de janeiro de 1908, no mesmo local onde existia a capela da santa que dá nome à região. A construção foi inaugurada em 28 de setembro de 1914. O posto avançado integra a história nacional como palco do famoso episódio dos 18 do Forte, no qual militares insatisfeitos com a situação política se revoltaram e marcharam pela Avenida Atlântica em 6 de julho de 1922, quando a cidade do Rio de Janeiro era a capital do país e se chamava ainda estado da Guanabara.

A sorte do bairro começou a mudar com a inauguração do Copacabana Palace, em 1923. O hotel foi construído pelo empresário Octávio Guinle por sugestão do então presidente Epitácio Pessoa. O Golden Room do Copacabana Palace, inaugurado na década de 1930, foi uma das primeiras casas de espetáculos da América Latina. As instalações do hotel serviram de cenário para Fred Astaire e Ginger Rogers no filme “Flying down to Rio”, gravado em 1933. Todos esses acontecimentos fizeram com que Copacabana começasse a fazer parte do imaginário internacional.

Um conjunto de casas de show localizadas entre os números 21 e 37 da Rua Duvivier colocaram Copacabana na história da música brasileira. As boates Baccara, Little Club e Bottle’s Bar pertenciam aos irmãos Alberico e Giovanni Campana e foram abertas nos anos 1950. O local, que ficou conhecido como Beco das Garrafas, serviu de berço para a bossa nova na década de 1960. Os jornalistas Luiz Carlos Miele e Ronaldo Bôscoli dirigiram ali as primeiras apresentações de Elis Regina, Jorge Ben e outros grandes nomes da MPB.

Praia de Copacabana nos anos 50

Na década de 70, a Praia de Copacabana ganhou sua forma atual, a partir da duplicação das pistas da Avenida Atlântica e ampliação da faixa de areia, entre 1969 e 1971. A obra impulsionou o trânsito carioca e abrigou o então interceptor oceânico da Zona, a maior obra de saneamento básico da cidade até então.

Atualidades da Praia de Copacabana

Copacabana não para. Uma versão renovada do Beco das Garrafas aberta em 2014 oferece aos interessados shows diários de bossa nova, jazz e outros gêneros. O bairro se prepara ainda para abrigar a nova sede do Museu da Imagem e do Som, que deve ser inaugurada em 2016. O desenho provocador do edifício foi criado pelo escritório americano de arquitetura Diller Scofidio + Renfro. O prédio de 8 andares com quase 10 mil metros quadrados irá funcionar como um santuário da cultura carioca. Boate, restaurante panorâmico e um teatro de 280 lugares serão algumas das atrações do Museu, localizado na Avenida Atlântica.

Colônia de pescadores na Praia de Copacabana

Ainda hoje a colônia de pescadores da Praia de Copacabana é bastante ativa e é possível comprar peixe fresco pela manhã.

Chegar a Praia de Copacabana é fácil. O bairro é atendido pelas estações de metrô Cardeal Arcoverde, Siqueira Campos e Cantagalo. Ônibus que circulam na região partem de diferentes pontos do centro e das zonas norte, sul e oeste da cidade. A área fica a 25 quilômetros do aeroporto do Galeão e a 10 quilômetros do aeroporto Santos Dumont. Veja o nosso Guia de Transporte Público.

A imensa variedade de hotéis e restaurantes e o comércio pulsante tornam Copacabana um destino interessante para quem busca um local para se hospedar na cidade do Rio de Janeiro.

Os cariocas utilizam como forma de se localizar nas praias a divisão estabelecida pelos postos de salvamento, operados pelos bombeiros. Nestas pequenas construções existem banheiros, chuveiros e outros serviços pagos disponibilizados para turistas e locais.

O Que Ninguém Fala

Muito embora a Praia de Copacabana seja um dos cartões postais mais famosos do Rio de Janeiro, alguns problemas são frequentemente ignorados pelos turistas, pois não encontram espaço na mídia dirigida aos visitantes. Mas acreditamos que seja importante aos nossos turistas saber que tanto o bairro de Copacabana quanto sua praia padecem de problemas como:

    • Roubos e assaltos estragam a viagem de alguns turistas incautos. Por isso recomendamos fortemente que se evite exibir desnecessariamente equipamentos eletrônicos (máquinas fotográficas, telefones celulares, smartphones e afins). Infelizmente algumas destas situações são acompanhadas por violência. Recomendamos sempre circular na cidade levando apenas o indispensável, de maneira bastante discreta e mantendo atenção em bolsas, mochilas e carteiras.

Prostituição em Copacabana

  • Prostituição, nitidamente focada no público turístico. As profissionais costumam se juntar ao longo de alguns trechos da Avenida Atlântica, notadamente na região da Praça do Lido, junto a carros estacionados na calçada oposta à praia e não costumam frequentar o calçadão e a praia. Em geral começam a chegar depois que anoitece e não costumam abordar os clientes de maneira ofensiva e nem mesmo explícita. Devido à largura da Avenida e seus canteiros, em muitos locais não chegam a ser vistas do calçadão. Existem também no bairro de Copacabana casas noturnas dedicadas ao ramo do entretenimento erótico, porém, possuem apresentação bastante discreta.
  • Moradores de rua são uma questão em Copacabana, em geral os adultos não desejam confusão e pedem apenas alguma contribuição para comprar comida. Os jovens e crianças de rua costumam ser mais agitados. Ora vendem balas e doces, ora pedem dinheiro, mas é preciso estar bem atento, pois muitos dos furtos praticados na orla são realizados por crianças e jovens que perambulam pelas ruas, recomendamos não expor objetos de valor e se desejar contribuir de alguma forma, sugerimos não dar dinheiro, mas comprar-lhes efetivamente algum alimento.

Créditos das imagens: Sheila Tostes, Rodrigo Soldon e MAHM.