Por Que Visitar os Arcos da Lapa

Os Arcos da Lapa ficam no bairro da Lapa, região que apresenta uma arquitetura eclética e atraente e tem muita história para contar em seus muros e ruas. O bairro da Lapa como um todo é um convite aos visitantes. Estar no bairro e conhecer apenas os Arcos sem explorar o seu entorno é como comer apenas a cerejinha de uma torta misteriosa e muito convidativa.

Arcos da Lapa no Rio de Janeiro

Tanto de dia quanto à noite o bairro da Lapa e seus Arcos guardam segredos indecifráveis, o dia e a noite separam lugares absolutamente diferentes que por mero capricho se sobrepõem no mesmo espaço.

Durante o dia, os Arcos emolduram um céu ensolarado, vivo, azul profundo, entrecortado pelo branco de sua estrutura, exibindo todos os aspectos da arquitetura antiga dos prédios históricos, como duas das construções mais antigas da cidade do Rio de Janeiro, a Igreja Nossa Senhora da Lapa do Desterro e a Irmandade Divino Espírito Santo da Lapa do Desterro (Rua da Lapa, 8 e 11, respectivamente). Ao lado temos a Cinelândia, o Passeio Público, e todas as ruas e construções do Centro do Rio Antigo e Moderno.

A Lapa é um bairro essencial para o visitante, por seus próprios encantos e pela proximidade de tantos outros, como a Sala Cecília Meireles, o Teatro Municipal, o Largo da Carioca e os Teatros Carlos Gomes e João Caetano. Após uma volta neste quarteirão imaginário, retornamos aos Arcos, onde aos seus pés encontramos restaurantes tradicionalíssimos como o Nova Capela e o Bar Brasil que dispõem de um cardápio variado e de dar água na boca.

Outra atração é a escadaria colorida criada no bairro pelo artista chileno Jorge Selarón. Ela já serviu de cenário para clipes de artistas como Snoopy Doggy e outros astros internacionais. A Rua do Lavradio recebe todo primeiro domingo do mês uma grande feira de itens usados, antigos, quebrados e maravilhosos, é um verdadeiro museu a céu aberto, com peças e oportunidades para todos os gostos e bolsos. O evento reúne bugigangas de ontem e de hoje, que se confundem no mar de barraquinhas. Além de tudo a paisagem com os Arcos da Lapa serve de cenário para espetáculos e diversos tipos de manifestações, contra e a favor do governo, em dias alternados.

Visão de dentro do bonde, sobre Arcos da Lapa

Os Arcos da Lapa são mundialmente famosos por serem também o caminho do bondinho que conduz ao bairro de Santa Teresa. Andar de bonde sobre os arcos é uma experiência única, é como voar sobre a cidade, é experimentar uma sensação de liberdade causada pelo vento no rosto, pelo barulho do bonde e pelo horizonte livre que não se encontra em qualquer outro lugar da cidade, pouquíssimas cidades no mundo podem oferecer essa experiência. O passeio é bastante indicado como início da visita ao bairro de Santa Teresa. Os bondes saem da estação Carioca, no centro (Rua Lélio Gama, nº 2, melhor pela esquina com a Rua Senador Dantas). Entretanto, segure-se firme e feche os olhos se tiver medo de altura!

Noite da Lapa

São tantas atrações que o dia acaba sendo curto, então vem a noite da Lapa, com seus encantos e seduções. Os Arcos moram em um bairro feito sob medida para quem ama a vida noturna. O tradicional reduto da boemia do Rio tem a malandragem em seu DNA e oferece aos visitantes bares, restaurantes e casas de shows para os mais diversos gostos e estilos.

Sambistas, roqueiros e outras tribos encontram ali o lugar ideal para confraternizar. Muitas vezes, grupos distintos fazem sua arte sob diferentes segmentos dos Arcos da Lapa. Há espaço para todos e gente nova é sempre bem-vinda. A noite da Lapa é uma das mais ecléticas, democráticas e animadas da cidade. Quem quiser saber mais sobre as já famosas noites cariocas não deve perder a oportunidade de conhecer a região, que fica na zona central da cidade e é repleta de atrações. É uma festa permanente, que conquista o coração de quem é apaixonado pela alegria.

Bares como o Carioca da Gema e o Semente fizeram fama na Lapa. A lista de clientes desses locais têm nomes ilustres, como Chico Buarque. Já espaços como o Circo Voador e a Fundição Progresso se firmaram como palcos importantíssimos na história da música popular brasileira. O Rio Scenarium funciona como antiquário de dia e restaurante à noite, atraindo levas e mais levas de turistas. Eles estão interessados em mergulhar no jeito de ser carioca e têm na Lapa sua escola. Mas nem só de agitos é feita a noite do bairro, que abriga também a Sala Cecília Meirelles, que é considerada hoje a melhor casa de concertos de música de câmara da cidade.

Passado Histórico dos Arcos da Lapa

A história do local conhecido hoje como Lapa começa em 1744, com o início das obras do chamado Aqueduto da Carioca, que depois viraria os Arcos da Lapa. A construção foi realizada por ordem do governador Gomes Freire de Andrade com o objetivo de fornecer água da Floresta da Tijuca para o primeiro chafariz da cidade, que ficava no atual Largo da Carioca. O engenheiro José Fernandes Alpoim ficou responsável pelos trabalhos, que foram desenvolvidos por escravos e concluídos seis anos depois. O Aqueduto de Águas Livres de Lisboa serviu de inspiração para a estrutura. Os 42 arcos em estilo romano são feitos de tijolos de pedra e foram revestidos de cal.

Um seminário e uma capela em louvor a Nossa Senhora da Lapa do Desterro foram criados na área em 1751 pelo padre Ângelo Prado. Isso disparou a ocupação da região, que passou a ser conhecida como Campo dos Formigões em função da presença dos seminaristas. A capela foi convertida em igreja em 1810. Cerca de 6.500 pessoas já moravam naquelas cercanias por volta de 1838. A inauguração da Fundição Progresso em 1871 e o início da circulação de bondes sobre os arcos em 1896 são marcos importantes da história da Lapa. Vias como a Rua dos Inválidos e a Rua do Resende eram cobiçadas pela aristocracia, que com o tempo começou a se instalar no bairro.

Arcos da Lapa, foto antiga, da década de 1950

O prefeito Pereira Passos implementou uma grande reforma na Lapa no começo do século XX. Casebres e cortiços foram demolidos. A Rua Mem de Sá foi ampliada e transformada numa avenida. O surgimento de cassinos, cabarés e restaurantes nos anos seguintes fez com que a região ficasse conhecida como Montmartre Carioca, numa alusão ao bairro boêmio parisiense. A vocação para vida noturna nunca mais se perdeu. Os Arcos da Lapa foram tombados em 1938 por serem símbolos da cidade. Obras nas décadas de 1960 e 1970 devolveram ao aqueduto o formato original, após intervenções anteriores terem alterado pilares e outras características da estrutura. Só em 2012 a prefeitura reconheceu a Lapa oficialmente como um bairro.

Atualidades nos Arcos da Lapa

Bondinho nos Arcos da Lapa

Os bondinhos voltaram recentemente a circular sobre os Arcos da Lapa, após uma interrupção de quatro anos por conta de um acidente. Eles saem da estação localizada no Largo da Carioca e seguem em direção ao Largo dos Guimarães, no bairro de Santa Teresa. Hoje, mais seguros, não se pode viajar em pé, ou pendurado nos estribos. Os veículos com bancos de madeira contam agora com freios magnéticos, iluminação de lâmpadas LED e outras modernidades. O vai e vem dos carrinhos dá um charme a mais ao cenário bonito do Largo da Lapa, onde passado e presente se confundem e caminham lado a lado sem maiores atropelos. Seja noite ou seja dia, quem passa pela Lapa percebe e se encanta com isso.

Uma das vantagens de visitar o bairro é a possibilidade de conhecer diversas atrações sem precisar ir muito longe. A escadaria do Selarón fica na Rua Joaquim Silva, pertinho da Sala Cecília Meirelles. O endereço da casa de concertos é Largo da Lapa, 47. Quem quiser comer alguma coisa depois do espetáculo pode ir andando até o Nova Capela, no número 96 da Mem de Sá ou mesmo ao Bar Semente, no número 149 da rua Evaristo da Veiga. Os amantes de noites mais agitadas têm à disposição opções como o Circo Voador e a Fundição Progresso, ambos na Rua dos Arcos.

Chegar nos Arcos da Lapa é fácil, como sempre, o transporte sugerido é o metrô, cuja estação mais próxima é a Cinelândia, para os mais aventureiros há linhas de ônibus que cruzam a Lapa partindo de diversos pontos da cidade e circulando durante a noite inteira. Veja algumas dicas sobre como se deslocar na cidade com o nosso Guia de Transporte Público.

Quem sonha com a noite perfeita nos Arcos da Lapa e suas múltiplas atrações deve usar roupas leves e não exagerar nos drinks e nem perdê-los de vista.

O Que Ninguém Fala Sobre Os Arcos da Lapa

Muito embora os Arcos da Lapa sejam um dos cartões postais mais famosos do Rio de Janeiro, alguns problemas são frequentemente ignorados pelos turistas, pois não encontram espaço na mídia dirigida aos visitantes. Mas é importante aos nossos turistas saber que a região da Lapa padece de alguns problemas que podem atrapalhar a diversão. O objetivo não é amedrontar o visitante, apenas falar abertamente sobre questões que não são faladas usualmente, para que os nossos visitantes tenham um entendimento melhor sobre o local que frequentam e não corram riscos desnecessários.

  • A segurança é uma questão bastante delicada com relação a Lapa e seus Arcos. Durante o dia deve-se tomar cuidado com a ação de crianças e adolescentes de rua, que em geral se divertem entre si e pedem contribuições para que se compre alguma bala ou doce que estejam vendendo. Ou pedem alguma comida. Nessas situações é bastante recomendável não perder de vista seus objetos de valor e tampouco exibi-los. O risco é de furtos de oportunidade ou francamente direcionados, algumas vezes com violência. Outras vezes, mais raramente, sem motivo aparente, jovens e crianças de rua promovem um verdadeiro arrastão, levando o que puderem, batendo e correndo em grupo. O ideal para o visitante é andar em grupo e se possível com um local. O ideal é evitar contato, isso é o que as mães cariocas dizem aos seus filhos.
  • Equipe Lapa Presente recebendo instruções para o policiamento

  • Durante a noite as questões são diferentes: pequenos furtos são comuns em meio à agitação e às pessoas comprimidas nas ruas da Lapa. Assaltos violentos são mais raros. Não perca de vista seus objetos de valor e bebidas. O ideal é levar apenas o essencial e se usar bolsas, use-as bem fechadas e junto ao corpo. Cuidado com suas bebidas, golpes como o “boa noite Cinderela” acontecem na Lapa. Entretanto, é preciso reconhecer o esforço das autoridades para melhorar a segurança dos cariocas e turistas que frequentam a Lapa e seus Arcos. As ruas da Lapa e do Rio antigo são protegidas especialmente pela Operação Lapa Presente, que faz o policiamento diário da região, a pé, de bicicletas e em viaturas, o que tem contribuído fortemente para a diminuição de problemas na região.
  • Os vendedores ambulantes e vendedores informais, conhecidos como camelôs, são pessoas que circulam pelas ruas ou mantêm barracas montadas nas calçadas, vendendo os mais variados produtos. A Prefeitura cadastra alguns desses vendedores, que trabalham em locais autorizados. Outros, porém, trabalham sem autorização, e por vezes são retirados pela Guarda Municipal.
  • Ao comprar de camelôs fique atento a algumas circunstâncias: consumir alimentos e bebidas vendidos desta forma, especialmente no calor, pode levar a riscos a saúde, pois não há controle efetivo sobre como são preparados e armazenados. Nos Arcos da Lapa existem muitas barraquinhas que preparam os mais diferentes lanches e bebidas, avalie com cuidado as condições de higiene se desejar comprar algo, porém, não é recomendável no Rio de Janeiro comer ou beber algo sem saber a procedência; produtos comprados em camelôs não têm qualquer garantia; os preços podem ser bastante altos, especialmente se o turista é o comprador, ficando o visitante vulnerável a pequenos golpes durante essa compra.
  • A prostituição na Lapa também é uma questão, embora não seja ofensiva e menos ainda explícita, pois a abordagem costuma ser mais sutil, nas boates e bares da região.
  • Rua do Lavradio mais uma vez inundada na Lapa, a aventura de voltar para casa depois do trabalho no Rio

  • As enchentes na região da Lapa, principalmente nas ruas do Centro antigo (Rua da Lapa, Mem de Sá, Lavradio etc) são muito comuns quando acontecem chuvas mais intensas na região. Os alagamentos acontecem porque o sistema de bueiros é antigo e ficou ainda mais sobrecarregado com os novos empreendimentos imobiliários lançados na região ao longo dos últimos anos. E pela falta de educação de cariocas e turistas que largam seus lixos pelo chão após e durante muitos eventos na Lapa e seu entorno. Quem pode não se aventura por ali na iminência de uma grande chuva.

Créditos das imagens para este artigo Arcos da Lapa: Alexandre Macieira, Copa2014.gov.br, Jcsalmon, Rio.rj.gov.br, Rj.gov.br