Por Que Visitar o Pão de Açúcar

O Pão de Açúcar abriga o primeiro teleférico a operar no Brasil e o terceiro do tipo a entrar em funcionamento no mundo. Só isso já justificaria uma visita ao local, que permite ao turista ter acesso a uma das mais belas vistas da cidade. O cartão-postal é um dos mais conhecidos do mundo e já foi até cenário de filme. James Bond enfrenta o vilão Jaws nos cabos do bondinho em 007 – Contra o Foguete da Morte, de 1979.

Pão de Açúcar panorâmico

A paisagem vista do Pão de Açúcar é deslumbrante. A Baía de Guanabara, a ponte Rio-Niterói e o aeroporto Santos Dumont compõem o leque de atrações. Toda orla compreendida entre o Flamengo e Ipanema também pode ser apreciada, além de pontos turísticos como o Cristo Redentor e a Pedra da Gávea. Os quase 400 metros de altura possibilitam a observação de recantos distantes, como a Ilha do Governador e o Dedo de Deus, em Teresópolis.

Quem sobe os morros de bondinho é recebido por uma estrutura turística de primeira linha. Lojas e lanchonetes oferecem os mais diversos produtos e serviços. O anfiteatro se tornou conhecido por ter sido palco de importantes empreendimentos culturais, como a discoteca Dancing Days, aberta em 1978, e a série de shows Noites Cariocas, iniciada no ano seguinte. O Espaço Baía de Guanabara reúne quiosques e restaurantes numa área com piso que reproduz o calçadão de Copacabana. O Cota 200 serve gastronomia brasileira tendo o litoral carioca como pano de fundo.

Bondinho do Pão de Açúcar em destaque

A segurança é prioridade na operação do bondinho. Viagens de teste são realizadas todas as manhãs e o controle do teleférico é feito por meio de equipamento eletrônico. Há um gerador a postos em caso de falta de energia. Os fios de aço que movem o veículo têm 50 milímetros de diâmetro e a cabine transparente de acrílico e policarbonato é revestida de duralumínio.

O passeio se divide em dois trechos, entre a Praia Vermelha e o Morro da Urca e entre o Morro da Urca e o Pão de Açúcar e são cumpridos em três minutos. Mais de 40 milhões de pessoas já fizeram o passeio em 103 anos de funcionamento.

Passado Histórico do Pão de Açúcar

O Pão de Açúcar é um pico composto por uma rocha proveniente do granito surgido há aproximadamente 600 milhões de anos. A pedra era chamada pelos índios tamoios de Pau-nh-açuquã, que significa morro alto, pontudo e isolado. Os franceses chegaram à região em 1555 e chamaram o monte de Pot de beurre ou pote de manteiga. O nome definitivo só apareceu com a chegada dos portugueses à área em 1565, quando a cidade do Rio foi fundada aos pés do Pão de Açúcar por conta da vista privilegiada da baía naquela área.

Antigo bondinho do Pão de Açúcar

A ideia de criar um teleférico no local data de 1908, quando o morro recebeu a Exposição Nacional. O engenheiro Augusto Ferreira Ramos juntou-se a amigos para criar a Companhia Caminho Aéreo Pão de Açúcar, que obteve autorização da prefeitura para operar no local em 30 de julho de 1909. As obras começaram no ano seguinte. Operários brasileiros e portugueses participaram da construção, que consumiu 4 milhões de toneladas de material importado da Alemanha. A primeira viagem entre a Praia Vermelha e o Morro da Urca aconteceu em 27 de dezembro de 1912. Já o trecho até o Pão de Açúcar foi inaugurado em 18 de janeiro de 1913.

Augusto Ramos trabalhou na companhia que gere o bondinho até 1934. O industrial Carlos Monteiro assumiu a empresa neste ano, ficando no cargo até 1962. O engenheiro Cristóvão Leite de Castro tornou-se diretor em 1962, realizando a modernização do sistema. A cabine do teleférico ganhou um novo desenho em 1972, desenvolvido pelo escritório italiano Nardo.

Pouca gente sabe que o projeto original do bondinho do Pão de Açúcar previa um terceiro trecho. Ele se estenderia do Morro da Urca ao vizinho Morro da Babilônia, mas não foi levado adiante em função da área ter sido ocupada pelo exército. Outra história interessante aconteceu durante a Intentona Comunista de 1935, quando combates entre os revoltosos e legalistas na Praia Vermelha prejudicaram o teleférico. Os cabos foram danificados e novas unidades tiveram de ser importadas da Europa.

Atualidades do Pão de Açúcar

Praça dos Bondes no Pão de Açúcar

Novos espaços foram incorporados ao complexo turístico do Pão de Açúcar nos últimos anos. Um deles é o Cocuruto, que usa projeções digitais, tablets e outros objetos para contar a história dos teleféricos. O local foi aberto ao público em 2010. A Praça dos Bondes foi aberta no ano anterior e exibe veículos que já estão fora de circulação. Há ainda esculturas que homenageiam Augusto Ramos e Cristóvão Leite pelos serviços prestados ao bondinho.

A bilheteria do Pão de Açúcar fica na Praia Vermelha. Ela funciona diariamente de 8h às 19h50 e vende tíquetes para viagens a serem realizadas no mesmo dia. Quem quiser planejar o passeio com mais antecedência pode comprar as passagens via web. A passagem do teleférico custa R$ 80 e jovens entre 06 e 21 anos, estudantes, idosos e portadores de necessidades especiais pagam meia. O Complexo Turístico dispõe de plataforma para cadeirantes e banheiros adaptados no Morro da Urca e no Pão de Açúcar. Menores de seis anos podem embarcar gratuitamente. Os bondinhos partem a cada 20 minutos no horário de 8h10 às 21h e têm capacidade para 65 pessoas. Mais informações no telefone (21) 2546-8400 ou no site oficial do bondinho do Pão de Açúcar.

O metrô é a opção mais simples para se chegar ao Pão de Açúcar. A estação Botafogo conta com um ônibus que vai até a Praia Vermelha, onde fica a estação do teleférico. Boas opções são táxis e Uber. Outra alternativa, mas não muito simples, são as linhas de ônibus que passam pelo local, pois os pontos de partida são reduzidos. Algumas delas circulam pelos bairros de Copacabana, Jardim Botânico e Leblon, entre outros. É bom lembrar que a região conta com estacionamento coordenado pela prefeitura. Veja algumas dicas sobre como se deslocar na cidade com o nosso Guia de Transporte Público.

O Parque do Pão de Açúcar fica no bairro da Urca, mais precisamente na Praia Vermelha, e embora infelizmente não seja possível dizer isso com frequência no Rio de Janeiro, mas a região da Urca é uma área bastante segura se comparada aos outros bairros da cidade. Isso se deve ao bairro ter apenas uma entrada e haver alguns prédios militares na região, cuja segurança é feita também pela Polícia das Forças Armadas.

O ideal é visitar o cartão-postal em dias ensolarados. Recomenda-se que o visitante traje roupas leves e não se esqueça dos óculos escuros e do filtro solar. O endereço do Pão de Açúcar é Avenida Pasteur, 520, Urca.

O que Ninguém Fala sobre o Pão de Açucar

Apesar de o Pão de Açúcar ser um dos cartões postais mais famosos do Rio de Janeiro e do mundo, alguns problemas são frequentemente ignorados pelos turistas, pois não encontram espaço na mídia dirigida aos visitantes. Mas acreditamos que seja importante aos nossos turistas saber que a visita ao Pão de Açúcar padece de alguns problemas que podem atrapalhar a diversão. O objetivo não é amedrontar o visitante, apenas falar abertamente sobre questões que não são faladas, para que os nossos visitantes tenham um entendimento melhor sobre o local que frequentam e não corram riscos desnecessários.

    • O passeio deve ser organizado com tempo para a fila de compra do ingresso e para a fila de embarque nos bondinhos, que às vezes, demora cerca de uma hora cada uma. Por isso vale a pena comprar o ingresso por algum meio eletrônico.
    • Algumas vezes nuvens ficam paradas exatamente sobre o morro do Pão de Açúcar, nestes casos não recomendamos fazer o passeio devido à falta de visibilidade e ao frio (nuvens são geladas!).

Avisos da trilha do morro da Urca

  • Existe uma trilha para caminhada até o morro da Urca, que é a primeira parada do passeio. Embora muitos cariocas digam que seja uma trilha fácil, consideramos que não seja tão fácil assim. Tem partes bastante íngremes, barrancos sem proteção e demora cerca de uma hora de caminhada de subida e escalada média. E desaconselhamos expressamente essa aventura para quem não tem experiência com esse tipo de atividade. Além disso, é lamentável, mas necessário dizer que já houve assaltos nessa trilha, razão adicional pela qual não a recomendamos.

Créditos das imagens deste artigo Pão de Açucar: bondinho.com.br, Carlos Varela, Dirlei Dionísio, Gabi, Nicolas Vollmer e Rodrigo Soldon.